Família de Maria de Villota e Manor chegam a acordo

Maria de Villota
Maria de Villota
partilha

A família de Maria de Villota e a Manor chegaram a acordo no processo que as partes mantinham em tribunal.

O acordo foi tornado público nesta quarta-feira 11 de outubro quando passam quatro anos da morte da piloto espanhola aos 33 anos.

Maria de Villota sofreu um acidente em 2012 ao volante de um monolugar da Marussia no Aeroporto de Duxford. A piloto despistou-se num teste em linha reta e embateu na rampa do camião da equipa – que estava nessa altura descida.

A piloto perdeu o olho direito, mas, além disso, sofreu outras lesões que contribuíram para o seu desaparecimento precoce.

Uma investigação feita pelo Healthy and Safety Executive, organismo britânico para as condições no trabalho, concluiu em 2015 que nenhuma ação seria tomada em relação a qualquer das partes envolvidas.

A família de Maria de Villota abriu um processo na Justiça contra a equipa de Fórmula 1 – que entretanto já tinha passado a ser a Manor – e é esse processo que agora chegou a acordo. O anúncio foi feito pelo escritório de advogados Slater and Gordon.

“A família de Maria de Villota fica satisfeita em dizer que chegou a acordo na sua disputa com a Manor F1 Team depois do acidente de 3 de julho de 2012. O acidente aconteceu por uma série de razões, uma das quais foi que um camião estava estacionado na zona de pit, com um elevador traseiro aberto, pelo que Maria não tinha culpa”, escreve o «Car and Driver» espanhol.

Um representante da Manor referiu que “foi um acidente que teve impacto em toda a equipa e em todos que a conheciam”. “Este é um momento importante, pois a família pode, agora, colocar todos os seus esforços na continuação do legado de Maria”, acrescentou o responsável pela equipa que, no mês de março, fechou as portas deixando a F1.

Comentários

Veja também