Dovizioso: “Proibição das asas foi para limitar o progresso da Ducati”

| PC
Ducati (2016)
Ducati (2016)

Andrea Dovizioso adverte que não quer criar polémica. Mas as suas declarações sobre a carnagem testada pela Yamaha em Valência pouca margem deixam para outra coisa. O piloto italiano afirma que a proibição das asas (ou aletas exteriores) nesta época serviu o propósito de “limitar a Ducati”.

"Não quero criar controvérsia, mas só existe uma interpretação possível. Foi-nos dito que as asas estão proibidas porque são muito perigosas e essas carenagens hoje são mais perigosas do que aquelas asas”, afirmou o vice-campeão deste ano de MotoGP.

Em 2015, a Ducati começou a usar uma carenagem com asas – por oposição às equipas adversárias – mas, no final de 2016 (quando também ouras equipas já pensavam na incorporação de aletas exteriores para ganho aerodinâmico) os regulamentos proibiram-nas para 2017.

"Eu concordo com os regulamentos atuais, mas [as novas carenagens] provam que os motivos que levaram à proibição naquela época eram uma farsa”, assumiu Dovizioso em declarações reproduzidas pelo «Motorsport.com», nas quais tira uma conclusão: “Mostra que a verdadeira razão da proibição das asas foi limitar o progresso da Ducati."

Nos testes de Valência deste mês após o fecho do Mundial 2017 e já a reparar a temporada de 2018, Maverick Viñales partilhou imagens das asas no exterior da Yamaha que testou.

O piloto espanhol admitiu não só que a nova carenagem melhorou a moto, como defendeu a sua legalidade: "Eu não acho que seja ilegal." "A Aprilia está a fazer o mesmo e a Ducati também. Então, eu não sei se é de acordo com as regras”, declarou Viñales como reproduz o «Motorsport.com».

Comentários

Veja mais