F1: Alonso sentiu-se “humilhado” com o retrocesso do motor Honda

| PC
Fernando Alonso
Fernando Alonso

A má época da McLaren-Honda em 2017 foi para Fernando Alonso uma humilhação quando se constatou que o motor da fabricante japonesa para esta época foi um passo atrás na evolução das duas temporadas anteriores e o desempenho e fiabilidade da unidade de potência regrediram.

"Como um competidor que é, ele faz a preparação mental durante o inverno. E desenha na cabeça como a temporada deve ser. Isso motiva-o ainda mais porque ele tenta manter-se fiel aos seus objetivos”, explicou ao «Motorsport.com» Eric Boullier.

E esta foi a introdução que o diretor técnico da McLaren fez para explicar a desilusão de Alonso quando a equipa se defrontou com a incontornável realidade à quinta corrida: “Em Barcelona, quando se vê o retrocesso em termos de desempenho do motor, há uma mistura de tristeza, humilhação e frustração. Não é bom."

Boullier afirma que o piloto espanhol “às vezes tem de expressar a sua frustração". "Ele fica muito tenso depois de uma corrida”, comentou o francês sobre Alonso ter admitido que fez um buraco na parede das instalações da McLaren com um murro quando abandonou o GP de Singapura, em setembro.

"Ele tem essa raiva dentro dele que sabe que pode fazer melhor. Ele sabe que pode ser o melhor. E ele precisa mostrar isso. E acho que se ele ganhar também irá furar uma parede", afirmou Boullier.

Comentários

Veja mais