Briatore depende do Supremo Tribunal para evitar 18 meses de prisão

  • Redação Autoportal
Flavio Briatore (Reuters)
Flavio Briatore (Reuters)

Flavio Briatore foi condenado pelo Tribunal de Apelo de Génova a um ano e seis meses de prisão.

O empresário italiano foi acusado pela Justiça do seu país de evasão fiscal relacionada com o iate Force Blue.

Briatore foi condenado, como relata o «Corriere della Sera», por não ter pago 3,6 milhões de euros de impostos pela importação do iate – e também por utilização de combustível sem a devida tributação e emissão de faturas para transações inexistentes.

A defesa do antigo homem forte da Benetton e da Renault F1 que esteve nos primeiros títulos de Michael Schumacher e nos de Fernando Alonso alega que o iate é alugado a uma empresa com sede fora de Itália, nas Ilhas Virgens Britânicas.

Mas o tribunal considerou que Briatore era o administrador dessa empresa e, por isso, o verdadeiro proprietário do Force Blue tendo ficado por pagar o IVA relativo à importação do iate.

A acusação pedia quatro anos de prisão para Briatore, que viu a segunda instância condená-lo a 18 meses de prisão e cuja última esperança reside agora num recurso para o Supremo Tribunal italiano, como referiram os seus advogados defendo a inocência do seu cliente.

Comentários

Veja mais