F1: McLaren admite retrocessos no chassi em relação a 2017

  • Redação Autoportal
Zak Brown (imagem McLaren)
Zak Brown (imagem McLaren)

Um dia depois da saída do diretor desportivo Eric Boullier que marca uma anunciada reestruturação da McLaren, o dirigente máximo da equipa de Fórmula 1 admite que, de 2017 para este ano, houve retrocesso no chassi do McLaren.

“Neste ano não temos o mesmo nível de pressão aerodinâmica que tínhamos no ano passado. Por isso, identificámos uma área em que o nosso carro é mais fraco do que o carro do ano passado.”

Zak Brown reconhece que o chassi do MCL33 tem retrocessos em relação ao seu antecessor e, mesmo não chegando ao ponto de assumir uma comparação entre os dois chassis, assume diferenças.

“No ano passado tínhamos o melhor chassi? Seguramente que não. Há probabilidades de [no ano passado] termos um chassi melhor? Penso que, devido a todas as variáveis, seria difícil dizer sim ou não de forma definitiva, mas sabemos que temos menos pressão aerodinâmica do que no ano passado.”

A McLaren está em assumida reestruturação e o seu CEO admite também que o regresso à frente da grelha ainda vai demorar para o atual sexto classificado do Mundial de Construtores da F1: “De forma realista, vai demorar tempo a solucionar, por isso, acho que estamos uns anos longe.”

VEJA TAMBÉM:

Comentários

Veja mais