GP da Austrália: Hamilton foi traído por «bug» informático

  • Redação Autoportal
Lewis Hamilton (Reuters)
Lewis Hamilton (Reuters)

Quando Sebastian Vettel assumiu o comando do GP da Austrália saindo das boxes mesmo na frente de Lewis Hamilton em altura de Safety Car Virtual, a estupefação tomou conta da Mercedes.

O piloto inglês mostrou isso mesmo logo em pista perguntandoexplicação para o que não percebia ter acontecido.

O diretor da Mercedes deu as explicações revelando que uma falha informática terá sido a responsável por erros nas contas que acabaram por deixar Hamilton atrás. A equipa alemã estava controlar os tempos que Hamilton precisaria para manter a distância sobre Kimi Raikkonen – quando Vettel liderava sem ainda ter ido às boxes – e para a eventualidade de um Safety Car.

“Estava tudo sob controlo”, assumiu Toto Wolff explicando que os cálculos contemplavam a vantagem que o piloto inglês tinha de conseguir numa ativação do Safety Car Virtual – quando os pilotos têm de rodar em pista a uma velocidade determinada para assegurar um chamado tempo delta – para manter a liderança (no caso, com. uma ida às boxes de Vettel como sucedeu).

Mas, afinal, não estava tudo sobre controlo, pois a Mercedes foi enganada pelo software e só deu conta disso “de repente”. “As câmaras mostraram-nos a saída das boxes. O Sebastian saiu à nossa frente”, recordou Wolff dando explicações: “O software ou sistema que temos usado desde há cinco anos deu-nos o número errado.”

O diretor da Mercedes fez questão de frisar que “o Lewis não fez nada mal”. “Foi por causa de um ‘bug’ do software ou de um algoritmo que simplesmente estava errado”, reforçou o austríaco.

Veja também:

Comentários

Veja mais