McLaren atira-se à Ferrari: “Quebraram o acordo de cavalheiros”

  • Redação Autoportal
| PC
Eric Boullier
Eric Boullier

A contratação pela Ferrari de Laurent Mekies caiu mal na grelha das equipas da Fórmula 1 e a McLaren veio a público manifestar o descontentamento afirmando que a Scuderia quebrou o “pacto de cavalheiros” existente.

Esse acordo ficou definido no Grupo de Estratégia depois da saída de Marcin Budkowski da FIA para a Renault: ficou acordado que os responsáveis da FIA – conhecedores de segredos comuns a todas as equipas ou desconhecidos de todas elas – teriam de cumprir um «período de nojo» de 12 meses antes de integrarem uma equipa.

A Ferrari contratou agora Mekies – delegado de segurança da FIA e vice-diretor de corridas da F1 e da F2 – para o departamento técnico e a anunciada entrada em funções em setembro fará com que não passem mais de seis meses após a troca – o que indignou a McLaren

“Estamos descontentes com a FIA por perder mais um funcionário chave para uma equipa. Especialmente depois de ter ficado acordado por todas as equipas na última reunião do Grupo de Estratégia que nenhum elemento técnico chave da FIA seria empregado por uma equipa antes de passarem 12 meses após ter deixado a FIA”, afirmou Éric Boullier.

Para o diretor de corridas da McLaren, “a Ferrari foi contra o acordo de cavalheiros e a FIA não se impôs”, como frisou em declarações ao «Motorsport.com», que acrescenta que outras equipas manifestaram em privado posição idêntica à da McLaren.

Comentários

Veja mais