MXGP Portugal 2017: 600.000 euros de orçamento

  • Luís Neves
Motocrosse
Motocrosse

O Campeonato do Mundo de Motocrosse está de regresso a Portugal e a Águeda. O presidente do Actib (Agueda Action Club) Albano Melo é uma das faces da confiança dos novos anfitriões do MXGP em Águeda. Quatro anos depois o clube assumiu a responsabilidade de voltar a trazer a uma das catedrais do motocrosse não apenas os pilotos do mundial mas igualmente três categorias de campeonato europeu para um total de uma dezena de corrida a decorrer entre sábado e domingo.

“Foi quase uma imposição que a Youthstream colocou sobre nós quando foi assegurado o regresso do campeonato ao nosso país. Era também vontade deles regressar a Águeda e por isso apostaram num clube novo mas onde estão muitos elementos ligados aos mais de 30 anos de história do mundial de motocross em Águeda”, afirma o responsável do clube organizador do evento e que conta com a colaboração de 400 pessoas, a grande maioria voluntários para um orçamento total de 600.000 euros.

“A estrutura humana é superior a anos anteriores e conseguimos ter connosco 400 voluntários o que não acontece em lado nenhum no calendário do campeonato. Não nos podemos esquecer que muitos desses elementos estão a trabalhar em prol da prova desde há alguns meses.”

Mas se o esforço humano é grande, financeiramente a aposta é arriscada e de vulto igualmente.

“Globalmente são 600.000 euros de orçamento para levar a cabo a prova. Sem o governo central e a Câmara Municipal era de todo impossível, mas nunca nos podemos esquecer que localmente temos igualmente apoios das juntas de freguesia ao redor do Crossódromo Internacional de Águeda. O tecido empresarial mostrou-se igualmente recetivo a apoiar e em conjunto todos estes factores ajudaram a que o campeonato esteja de volta a Águeda.”

Um crossódromo recheado de história e com um novo traçado estreado em maio deste ano. “Sim, era necessário depois de quatro anos em que a pista esteve praticamente sem actividade e para nos ajudar a criar um desenho de pista mais atrativo contratámos aquele que é considerado como o melhor especialista na área. Em conjunto connosco foi desenhada e construída uma pista que permite que o público possa ver os pilotos em 80% da sua extensão e com todo o conforto e comodidade com zonas de restauração, bares e apoios que incluem mesmo um parque de diversões para os miúdos.”

Ao todo estarão cerca de 250 pilotos em pista com dois dias de competição que vão ter quase 12 horas de ação constante nos cerca de 1.700 metros da pista bairradina.

Na categoria rainha MXGP estará Rui Gonçalves, a que se juntam Paulo Alberto e Sandro Peixe, cabendo a Pedro Carvalho a defesa das cores nacionais em MX2.

Nas categorias do Europeu, Abel Carreiro e João Barcelos estarão nas 125, Bruno Charrua e André Sérgio nas 250 e nas 150 estarão quatro ‘mosqueteiros’ liderados por Luís Outeiro, o atual segundo classificado na categoria. Ruben Ferreira, Frederico Rocha e Tomás Alves serão os restantes.

Comentários

Veja mais