Craques do ralicrosse levam milhares a Montalegre

  • Redação Autoportal
Volkswagen brilhou em 2017 em várias categorias
Volkswagen brilhou em 2017 em várias categorias

Montalegre junta em abril a sexta-feira 13 e o mundial de ralicrosse, dois grandes eventos que divulgam o concelho, atraem milhares de visitantes e são importantes oportunidades de negócio para a economia local.

A festa começa com a mítica noite das bruxas, a primeira de 2018, e prolonga-se até ao fim de semana de 28 e 29 de abril.

David Teixeira, vice-presidente da Câmara de Montalegre, disse que já se estão a fazer contactos para que algumas equipas de ralicrosse cheguem ao Alto Tâmega para a sexta-feira 13, noite em que são esperados milhares de visitantes e que culmina com a queimada do esconjuro preparada pelo padre António Fontes.

Durante as duas semanas seguintes, realizam-se diversas atividades e experiências de contacto com a natureza, como dormir junto a uma cascata e acordar no topo da serra do Larouco. O autarca salientou que o campeonato do mundo de ralicrosse internacionaliza o concelho. A organização da prova representa um investimento de cerca de 300 mil euros e o retorno direto previsto ronda os 1,5 milhões de euros.

David Teixeira referiu que os hotéis do concelho já estão lotados e que há equipas que vão ficar instaladas em Chaves, Boticas e Ribeira de Pena. Depois, acrescentou, ao longo do ano “é cada vez mais é crescente” o número de equipas que vão testar os motores a Montalegre, o que “significa um retorno económico que se vai sentindo ao longo do ano”.

Em 2017, estiveram duas marcas a testar os motores no concelho mais a norte do distrito de Vila Real e, em 2018, já estiveram mais duas.

Mas, segundo o responsável, Montalegre vai “também entrar nos circuitos de teste em terra para o campeonato do rali de Portugal”. “Vamos ter quatro marcas a treinar também no concelho em caminhos de terra para o rali de Portugal”, sustentou.

Montalegre acolhe a segunda etapa do mundial de ralicrosse, que arranca em Barcelona (Espanha). Para a edição 2018, a pista barrosã e o ‘paddock’ foram melhorados e as bancadas aumentadas com mais 3.000 lugares sentados.

David Teixeira adiantou que se prevê lotar os 30 mil lugares pagos e sentados durante todo o fim de semana. A maior parte destes espectadores é espanhola, proveniente da vizinha Galiza, razão pela qual a prova vai ser também ali apresentada oficialmente.

O campeonato do mundo tem este ano 12 provas e entre os pilotos mais mediáticos encontram-se Sebastien Loeb, nove vezes campeão do mundo de ralis, e Petter Solberg que é um dos favoritos do público em Montalegre.

”Vai ser um mundial muito interessante em termos de competição”, afirmou Nuno Manarte, diretor da prova e elemento do Clube Automóvel de Vila Real (CAVR).

O responsável destacou a proximidade que o ralicrosse permite entre os pilotos e o público e sublinhou que, nas bancadas do circuito de Montalegre, é possível ver praticamente toda a pista.

Depois de Montalegre, o mundial de ralicrosse segue para Mettet, na Bélgica, e termina em novembro na Cidade do Cabo, África do Sul.

Comentários

Veja mais