Miguel Oliveira será o primeiro português no MotoGP em 2019

  • Redação Autoportal
Miguel Oliveira - Jerez (Red Bull KTM Ajo)
Miguel Oliveira - Jerez (Red Bull KTM Ajo)

Miguel Oliveira vai mesmo fazer a sua estreia no Mundial de MotoGP em 2019 e a Tech3/KTM está na pole-position para receber o piloto português.

Segundo avançou a SportTV, o anúncio da subida à classe rainha foi feito pelo próprio, esta sexta-feira, em Jerez, circuito que recebe a quarta ronda do Mundial de Moto 2. Desta forma, Miguel Oliveira torna-se no primeiro português no Mundial de MotoGP, depois de Felisberto Teixeira ter sido o primeiro piloto luso no Mundial de 500cc em 1998 ao alinhar no GP de Espanha em Jerez.

Recorde-se que na quinta-feira Hervé Poncharral, responsável pela Tech3, afirmou que o piloto português era uma excelente opção para a equipa na próxima temporada, uma declaração que surgiu depois de Pit Beirer, (Diretor da KTM) ter revelado que o piloto português já tinha nas mãos uma proposta da KTM para em 2019 ascender ao MotoGP.

Nas próximas horas, a Tech3/KTM e Miguel Oliveira podem oficializar a noticia da chegada do piloto português à classe rainha na próxima época. Mas a formalização do acordo ainda não foi feita.

O pai e agente do piloto luso, Paulo Oliveira, referiu ao Autoportal já na noite desta sexta-feira que ainda havia negociações a decorrer com a Tech3 não deixando de referir os outros interessados em contar com Miguel Oliveira. O "objetivo" assumido do «Falcão» português é estar na classe rainha já na próxima temporada, mas Miguel Oliveira, como nos foi dito, quer "dar os passos certos" em tão importante mudança e encara com "calma todo o processo".

A oficialização da presença de Miguel Oliveira no MotoGP em 2019 deverá ficar consumada neste fim de semana de GP de Espanha: "Espero que sim. Aaté para o Miguel pensar num campeonato [de Moto2] que tem para disputar".

Nascido em Almada em 1995, Miguel Oliveira desde cedo começou a dar os primeiros passos no motociclismo.

Com apenas 9 anos de idade, iniciou a sua carreira desportiva e terminou o ano de estreia em 4º lugar no campeonato nacional de MiniGP. Nesse mesmo ano, foi condecorado pela Confederação Desporto de Portugal no reconhecimento do seu talento.

Os seus primeiros sucessos desportivos chegaram em 2005 quando venceu o campeonato Português de MiniGP e o World Festival Metrakit em Espanha, frente a 192 pilotos oriundos de 14 nações. Revalidou o título Português em 2006 e terminou em 2º da Copa Calypso, tendo ainda vencido todas as corridas do Campeonato Andaluz em que participou, sem poder pontuar. Em 2007 subia de categoria e ganhava o campeonato Mediterrâneo Pre-GP125.

No ano de 2008 participou em diversos campeonatos com participações esporádicas, onde se destacou na Red Bull Rookies, com duas vitórias consecutivas nas três participações.

Em 2009 era terceiro no CEV (Campeonato Nacional Espanhol) e 5º classificado no campeonato da europa. Já em 2010 vencia 5 das 7 provas do calendário para terminar em 2º apenas dois pontos do seu rival Maverick Viñales, tendo-se sagrado, também nesse ano, vice-campeão da Europa, antes da sua estreia no campeonato do mundo em 2011.

Depois de um ano difícil (2011), regressou a tempo inteiro, em 2012, aos comandos da Sutter Honda na equipa da Estrella Galicia, onde conquistou dois pódios (Catalunha e Austrália) e ficou em oitavo no campeonato.

Em 2013, juntou-se à Mahindra Racing e fez as manchetes por ter conseguido o primeiro pódio do gigante indiano na Malásia, entrando assim para a história da equipa, antes de ter sido recrutado pela Red Bull KTM Ajo, para a época de 2015.

Nesse ano ao serviço da Ajo Motorsport conquistou 6 vitórias, três 2ºs lugares e 1 ‘pole position’, garantindo assim o título de vice-campeão do mundo fazendo uma recuperação estrondosa e que surpreendeu toda a gente, para terminar a apenas 6 pontos do cetro.

No ano seguinte, mudou-se para categoria de Moto2 ao integrar a equipa de Leopard Racing. Uma queda obrigou o piloto português a falhar quatro grandes prémios.

Em 2017 regressou à KTM e terminou o segundo ano na categoria intermédia do Mundial no terceiro lugar do campeonato.

Esta temporada com três provas realizadas, Miguel Oliveira ocupa a quarta posição da geral com 43 pontos.

[artigo atualizado às 21h10]

VEJA TAMBÉM:

Comentários

Veja mais