Nova escalada do preço dos combustíveis

Combustíveis
Combustíveis. Pixabay

Nova semana, novo aumento no preço dos combustíveis. Se precisa vá abastecer antes da madrugada de segunda-feira. Ao que a TVI apurou os preços dos vão continuar a subir. Esta semana, à semelhança do que já aconteceu há oito dias, o gasóleo deve aumentar 2 cêntimos e 2,5 cêntimos por litro no que toca à gasolina.

O preço do barril de petróleo escalou para os 80 dólares em Londres, pela primeira vez desde 2014. Os analistas apontam como principais motivos para esta escalada a queda dos stocks de crude nos Estados Unidos - menos oferta, com procura a subir faz subir preços - e aos receios do impacto das novas sanções sobre o Irão. Noutra frente, a queda da produção na venezuelana e as interrupções nigerianas, enquanto a Arábia Saudita age para amenizar as preocupações com a oferta.

Para adensar a questão Israel acusou, na semana passada, as forças iranianas de dispararem 20 mísseis contra territórios que controla, nos Montes Golã, e respondeu com o que a imprensa israelita descreveu como o maior ataque em território sírio nas últimas décadas.

Esta manhã, o Brent, petróleo do mar do Norte que serve de referência às importações portuguesa está a negociar nos 79,81 euros por barril nos contratos para entrega daqui a umas semanas.

Nos Estados Unidos, os futuros do petróleo bruto West Texas Intermediate dos EUA estavam estão nos 71,61 dólares o barril, e subirem pela terceira semana consecutiva.

O aumento dos preços já despertou o alarme entre os grandes países consumidores de petróleo.

A Arábia Saudita, líder da OPEP, disse na quinta-feira que vai garantir que o mundo receba adequadamente petróleo, assim como a maior consumidora indiana expressou frustração com o aumento dos preços.

O ministro da Energia da Arábia Saudita, Khalid al-Falih, chamou o ministro do Petróleo da Índia, Dharmendra Pradhan, para garantir o apoio para crescimento económico global, disse o Ministério de Energia da Arábia Saudita, citado pela agência Reuters.

Também a Agência Internacional de Energia veio dizer que os estoques de petróleo no mundo desenvolvido já caíram abaixo da média de cinco anos. Uma medida que tinha sido suportada pela organização e seus aliados, tendo em conta o excesso de oferta que fizera descer preço.

Em Portugal o preço da matéria-prima é uma das grandes componentes de constituição do preço de referência - a base sobre a qual o comercializador coloca o preço que pagamos - mas a outra grande componente são os impostos que pagamos. Ou seja, se a escalda do preço do crude se mantiver, sem a descida de impostos não se vislumbram bons dias para quem utiliza carro.

 

Comentários

Veja mais