Autoeuropa: Segurança Social paga creches dos filhos de trabalhadores ao sábado

| ALM com Lusa
VÍDEO: Operários da Autoeuropa que trabalhem nos sábados vão ter creches pagas

A Segurança Social já identificou as vagas em IPSS onde os trabalhadores da Autoeuropa poderão deixar os filhos nos sábados de trabalho, garantindo o pagamento das creches nesses dias, disse à Lusa fonte do Governo.

Os detalhes sobre o apoio aos casais com filhos que trabalham na fábrica da Volkswagen de Palmela serão discutidos numa reunião que se realiza esta quarta-feira entre os serviços da Segurança Social e os recursos humanos da Autoeuropa.

Segundo disse à agência Lusa fonte governamental, a reunião servirá para fazer a correspondência entre as disponibilidades de vagas em Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) e as necessidades dos trabalhadores.

No encontro deverão ainda ser definidas as idades das crianças a apoiar bem como a localização geográfica, uma vez que nem todas as famílias residem em Palmela.

A Segurança Social irá compensar os encargos das IPSS através do “complemento de horário em creche”, apoio que “durará enquanto houver necessidades por parte dos trabalhadores”, explicou a mesma fonte.

O valor do suplemento será apurado “caso a caso” e na reunião de quarta-feira “será avaliado” se o apoio às famílias pelo trabalho ao sábado poderá abranger o trabalho por turnos, à noite e aos domingos.

Em dezembro, após uma reunião conjunta entre o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, a Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa e a administração da empresa, o Governo garantiu que iria assumir “responsabilidades em algumas dimensões” como a criação e reforço de “equipamentos sociais de apoio à família” para responder aos novos horários da fábrica.

O novo horário da fábrica de Palmela entra em vigor no final do mês e deverá vigorar até agosto de 2018, altura em que a administração da Autoeuropa irá discutir com a Comissão de Trabalhadores o novo período para o resto do ano.

A questão colocou-se com o fabrico do novo modelo T-Roc e, após a rejeição de dois pré-acordos pelos trabalhadores sobre alterações aos horários de trabalho, na sequência do aumento da produção, a administração impôs unilateralmente o novo modelo laboral.

Comentários

Veja mais