Porto Santo torna-se na primeira "ilha inteligente"

  • Redação Autoportal
Renault Zoe
Renault Zoe

O Grupo Renault e a Empresa de Eletricidade da Madeira (EEM) associaram-se para implementar um projeto para a transição energética da ilha de Porto Santo, em Portugal. O objetivo é criar um ecossistema elétrico inteligente para aquela ilha do arquipélago.

Designado por “Porto Santo Sustentável - Smart Fossil Free Island”, tem como objetivo fazer a transição energética da ilha. A EEM, que tem a responsabilidade dos projetos associados à energia e à mobilidade elétrica no arquipélago, escolheu o Grupo Renault como parceiro para o desenvolvimento das soluções de mobilidade elétrica.

A primeira Smart Island mundial utiliza os veículos elétricos, a segunda vida das baterias, o carregamento inteligente e a reversão do carregamento (V2G) para ser energeticamente independente e estimular a produção de energias renováveis.

Com um tempo de execução de 18 meses, existe a intenção de o implementar, em seguida, em todo o arquipélago da Madeira.

“Estamos muito satisfeitos com esta associação com a EEM e com o Governo Regional da Madeira para o desenvolvimento deste inédito ecossistema elétrico inteligente. Um projeto que demonstra que, para além dos transportes, a revolução elétrica vai mudar o nosso quotidiano. O nosso objetivo é o de construirmos um modelo reproduzível noutras ilhas, cidades ou bairros… sempre com o mesmo espírito e a mesma vocação; implementar, em larga escala, soluções de mobilidade elétrica ao alcance de todos”, explica Eric Feunteun, Diretor do Programa Veículos Elétricos e New Business.

Mobilidade com assinatura Renault

Para a criação deste ecossistema, o Grupo Renault utilizará os seus automóveis elétricos.  Numa primeira fase, 20 famílias/entidades voluntárias da ilha de Porto Santo utilizarão 14 unidades do modelo ZOE e seis unidades do Kangoo Z.E. em utilização quotidiana. Viaturas que poderão ser carregadas de forma inteligente (smartcharging) nos 40 postos de carregamento conectados, públicos e privados, instalados na ilha pela EEM e pela Renault.

Numa segunda fase, estes automóveis irão mais longe na sua interação com a rede elétrica e serão capazes de injetar eletricidade na rede, nos picos de maior consumo de eletricidade na ilha. Para além do carregamento inteligente, as viaturas também servirão de unidades de armazenamento temporário de energia.

Em terceiro lugar, as baterias, em segunda vida, oriundas de modelos elétricos da Renault, irão armazenar a energia, por definição intermitente, produzida pelas centrais solares e eólicas do Porto Santo. Esta energia armazenada será restituída à rede quando tal for necessário. O Grupo Renault demonstra assim, pela primeira vez, que é possível reutilizar as baterias, em segunda vida, em benefício de um ecossistema local.

Comentários

Veja mais