Baja Portalegre: Nani Roma é o novo líder da prova

Nani Roma (Baja Portalegre)
Nani Roma (Baja Portalegre)

Estreante na Baja Portalegre 500, Nani Roma, com um Mini John Cooper Works Rally da equipa X-Raid, começou de forma perfeita, em termos de regularidade, a prova organizada pelo Automóvel Club de Portugal, para concluir, esta sexta-feira, a primeira jornada de competição com uma vantagem de 1m04,9s face ao seu colega da X-Raid, Stéphane Peterhansel que é o segundo da geral..

Muito embora se possa dizer que os Mini estão a dominar a última prova da Taça do Mundo FIA de TT, a verdade é que não passaram incólumes no segundo setor seletivo, acabando ambos com um furo, num dia em que a chuva caiu com grande intensidade nos derradeiros 15 quilómetros, deixando os pisos muito escorregadios.

“Está tudo ok, sem problemas”, afirmou  Peterhansel, no final da etapa, mesmo com o pneu traseiro do seu Mini furado. Roma também terminou com um furo, mas na posição de líder.

O piloto espanhol, que se estreia na prova portuguesa, foi o mais rápido no setor seletivo da tarde com a distancia de 99,22km, que ligou Avis a Portalegre, relegando o seu companheiro de equipa, Stéphane Peterhansel, para o segundo lugar.

João Ramos (Toyota Hilux) foi o melhor piloto português ao terminar este primeiro dia na terceira posição a 2m37,5s do novo líder da prova e é igualmente o melhor classificado entre os quatro candidatos ao título nacional de todo terreno.

“Vim numa toada não para ganhar na geral, mas sim para tentar ganhar o Campeonato de Portugal, evitando correr risco de furar, porque nós temos limite de pneus e isso pode ser problemático”, explicou o piloto da Toyota, que está em vantagem face à concorrência. 

Já Ricardo Porém que era o líder da classificação à partida para o segundo seletor seletivo, terminou na quarta posição a 3m07,6s de Nani Roma, depois de um problema com VW Amarok já no final da tirada. “Infelizmente, a 10 quilómetros da chegada batemos numa árvore, não sei bem explicar. São coisas das corridas, ficámos sem direção assistida e penso que temos um braço de suspensão arrancado”, sublinhou Ricardo Porém no final da etapa.

Nas motos, Luís Oliveira é o comandante da classificação. O piloto que venceu em 2016 está concentrado em alcançar o segundo triunfo da carreira na clássica alentejana mas tem em Sebastian Buhler um adversário que não lhe dá margem para descanso. Aos comandos de uma Yamaha, o segundo classificado cedeu 27 segundos e está, na geral, a 27,4s de Oliveira.

“Foi um dia positivo para mim. Tentei atacar desde início. O prólogo não me correu muito bem mas o resultado foi bom. Acho que temos tudo para fazer uma boa corrida. Sábado vou arrancar à frente. Vou tentar não cometer grandes loucuras ou exageros, sempre com o meu ritmo e que não seja mais lento que o Sebastian. Quero divertir-me, acima de tudo. Se possível, ganhar. Se não for, curtir um pouco”, afirmou Luís Oliveira à chegada ao parque de assistência.

Nas contas do campeonato, António Maio tem uma mão no título. Com vantagem pontual sobre Mário Patrão, o seu adversário neste particular, terminou o primeiro dia de prova em terceiro da geral a três minutos de Oliveira, enquanto o piloto da KTM é apenas quinto, a 4m23,7s do líder. Entre os dois candidatos à vitória no campeonato está Daniel Jordão.

Entre os quads, Ruben Alexandre dominou o dia. Depois do melhor tempo no prólogo, o piloto do Yamaha YFZ 450R voltou a ser o mais rápido no setor seletivo da tarde, deixando Roberto Borrego a 27 segundos e fechou o dia na primeira posição com 28 segundos de vantagem para o adversário que corre com um quad igual.

Ricardo Carvalho foi o melhor concorrentes entre os SSV no primeiro dia de competição. O piloto do Yamaha YXZ 1000R não tinha ido além do oitavo posto no prólogo. À tarde, saiu dessa mesma posição para estabelecer a melhor marca e acabar a etapa na frente com 20,5s de vantagem sobre a dupla Luís Miguel Cidade/Fábio Ribeiro, em Can Am Maverick, que ocupa a segunda posição. João Dias e João Filipe, também em Can Am, terminaram em terceiro.

Amanhã, os concorrentes têm mais 320 quilómetros contra o relógio pela frente. O primeiro tem saída do parque de assistência marcada para as 9h10 e o arranque para o setor é às 10h15.

VEJA TAMBÉM:

Comentários

Veja mais