Max Verstappen condenado a dois dias de trabalho comunitário

  • Redação Autoportal
Max Verstapen (Lusa)
Max Verstapen (Lusa)

 O holandês Max Verstappen (Red Bull) foi este domingo sancionado com dois dias de trabalho comunitário pela Federação Internacional do Automóvel (FIA), depois de ter empurrado o francês Esteban Ocon, após o GP do Brasil de Fórmula 1.

Verstappen foi confrontar o francês devido a um incidente entre os dois na 45.ª volta da corrida, que resultou na perda de liderança da prova por parte do piloto da Red Bull, vítima de um pião após toque no Force India de Ocon.

As imagens da alteração entre os dois pilotos, que se envolveram em empurrões , foram divulgadas pelo Canal+ francês. Os comissários chamaram os pilotos e, após uma hora de reunião, decidiram que Verstappen terá que passar por dois dias de serviço comunitário a ser designado pela FIA nos próximos seis meses. A decisão ainda é passível de recurso da Red Bull, a equipa do piloto holandês.

"Os comissários reviram provas em vídeo das câmaras de segurança da FIA e ouviram o piloto do carro 33 (Max Verstappen) e o piloto do carro 31 (Esteban Ocon) e os representantes das equipas. O piloto Max Verstappen entrou na garagem de pesagem da FIA, dirigindo-se ao piloto Esteban Ocon e, após algumas palavras, iniciou uma luta, empurrando ou batendo em Ocon com força várias vezes no peito”, lê-se no comunicado.

Os comissários realizaram uma audiência em que ambos os pilotos cooperaram, com os comissários a entenderem que Max Verstappen estava extremamente irritado com o incidente na pista durante a corrida e aceitou a explicação do oponente.

Apesar de aceitarem as justificações de Verstappen, os comissários determinaram que o holandês falhou na obrigação de ser um bom desportista e um modelo para todos os pilotos.

VEJA TAMBÉM:

Comentários

Veja mais