Família de Michael Schumacher revela entrevista inédita do antigo campeão de Fórmula 1

  • Redação Autoportal
Michael Schumacher
Michael Schumacher.

Foto Twitter

A família de Michael Schumacher divulgou esta quarta-feira uma entrevista inédita com o piloto alemão de Fórmula 1, realizada antes do acidente de esqui que o tem mantido longe dos olhares do público desde 2013.

No vídeo, publicado na página oficial do piloto sete vezes campeão mundial de Fórmula 1, Schumacher responde a dez perguntas dos fãs, confessando, por exemplo, que o piloto que mais respeitava no automobilismo era o finlandês Mikka Hakkinen.

"Tivemos grandes batalhas, mas mantivemos uma relação pessoal estável", disse o  antigo piloto de Benetton, Ferrari e Mercedes, que revelou, ainda, que o título mais emotivo foi o que conquistou em 2000, em Suzuka. Há 21 anos que a Ferrari não vencia o título, eu estive quatro sem vencer e, finalmente, consegui ganhar uma corrida espetacular", afirmou.

A entrevista, realizada no dia 30 de outubro de 2013, quase dois meses antes de ter sofrido uma queda quando esquiava nos Alpes franceses com a família (29 de dezembro desse ano), vê agora a luz do dia quando Schumacher está prestes a cumprir 50 anos de idade, o que vai acontecer a 3 de janeiro.

Numa das questões, o piloto alemão revela que o ídolo que tinha em criança, quando começou a praticar karting, não era um piloto de automóveis, mas o futebolista Tony Schumacher.

Inquirido sobre os feitos alcançados, 'Schumi' revelou que, no início da carreira, chegou a ter "dúvidas" sobre o seu valor. "É importante ter dúvidas, para não nos tornarmos demasiado confiantes e procurarmos melhorar sempre um pouco mais. Foi uma das receitas que me permitiu chegar aonde cheguei", sublinhou.

No vídeo, o piloto que conquistou dois títulos com a Benetton e cinco com a Ferrari, fala ainda da exigência física da Fórmula 1, da importância do karting, "enquanto boa preparação para desenvolver capacidades" nos desportos motorizados e lembra ainda a "importância do trabalho de equipa" para "alcançar o sucesso" ou a necessidade de trabalhar, mesmo quem tenha "talento".

Schumacher apontou ainda o segredo para o sucesso que teve ao longo da carreira. "Se olharem para o sucesso na Benetton, o que fizemos na Ferrari e o que tentámos fazer na Mercedes, ainda que em menos tempo, reparam que havia um fator comum: Ross Brawn", sublinhou o piloto alemão, referindo-se ao antigo chefe de equipa e atual consultor técnico da Fórmula 1.

No próximo dia 29 de dezembro passam  cinco anos desde o acidente de Schumacher.

Comentários

Veja mais