Rali de Marrocos: Paulo Gonçalves recupera e está à porta do pódio

  • Redação Autoportal
Paulo Gonçalves (Honda)
Paulo Gonçalves (Honda)

O português Paulo Gonçalves (Honda) terminou a quarta etapa do rali de Marrocos que teve lugar esta segunda-feira na região de Erfoud, em sétimo o que permitiu ao piloto português subir ao quarto lugar da geral das motas.

O piloto da Honda, que no domingo sofreu uma queda que o deixou com dores nas costas e numa mão, gastou mais 13m57s a mais que o vencedor da tirada, o australiano Toby Price (KTM), para  a cumprir os 294 quilómetros da especial numa etapa marcada por muita areia.

“Era o segundo dia de uma etapa maratona e, depois da queda no domingo, procurei chegar ao acampamento de forma segura e tranquila. O percurso continua a ser perigoso, com muitos rios secas e pedras. Na etapa de terça-feira, tentaremos chegar ao final da melhor forma possível”, disse o piloto de Esposende, que está agora a 47m26s de Price na classificação geral.

O outro português em prova, Mário Patrão (KTM), foi 12.º na tirada desta segunda-fera, a 42m48s do vencedor, e subiu ao 12.º lugar da geral, mas já com um atraso de 2h08m.49s. Ainda assim, está a 12 segundos do 11.º lugar.

Entre os SSV, Filipe Cameirinha e Francisco Esperto foram os melhores portugueses, no quarto lugar, a 55m44ss do vencedor, Gerrard Farrés (CanAm).

Luís Portela de Morais, que faz dupla com David Megre num CanAm, terminou na quinta posição e recuperou o terceiro lugar da geral, a 1h15m26s do líder, o russo Sergei Kariakin (CanAm).

“Foi uma etapa dura. Entrámos fortes na especial, conseguimos rapidamente apanhar o piloto americano, que tinha partido dois minutos à nossa frente, mas, ao quilómetro 30, partimos a correia. Conseguimos mudá-la e fazer o setor de dunas sempre em recuperação. Depois, já após o reabastecimento, partiu-se mais uma correia e desta vez também a caixa de variador, pelo que fizemos os restantes 230 quilómetros sem passar dos 80 km/h. Ainda assim, conseguimos subir ao terceiro lugar da geral, o que foi ótimo”, referiu Luís Portela Morais.

André Villas-Boas e Gonçalo Magalhães foram os sextos e subiram ao sexto posto da geral, enquanto Miguel Jordão (CanAm) foi 14.º e Mário Ferreira/Nuno Guilherme (CanAm) concluíram no 16.º lugar.

André Villas-Boas foi quem mais ganhou, saltando para o sexto posto da classificação geral, a 8h47m35s , à frente de Filipe Cameirinha, que é sétimo, a 15:01.37 horas.

Miguel Jordão é 12.º, a 73h12m38s, e Mário Ferreira o 14.º, já com um atraso de 98h32m14s , fruto de diversas penalizações.

Nos automóveis, o português Alejandro Martins (Toyota) não conseguiu concluir a etapa e averbou uma penalização de 70 horas. Com isso, caiu de oitavo para 21.º da classificação, a 67h22m44s do líder, Nasser Al-Attiyah (Toyota).

Na terça-feira, os pilotos enfrentam a derradeira especial do Rali de Marrocos, que os leva de volta a Fés, numa ligação com dois setores seletivos, um de 128 e outro de 70 quilómetros.

O rali de Marrocos é a última prova do Campeonato do Mundo de todo-o-terreno e serve de preparação para o rali Dakar.

Comentários

Veja mais