Mercedes reconhece que demorou a perceber estratégia de Vettel

  • Redação Autoportal
GP do Bahrain de F1 (Lusa)
GP do Bahrain de F1 (Lusa)
Diretor técnico da equipa alemã assume que, depois, foi tarde de mais

Duas corridas realizadas, duas corridas ganhas pela Ferrari no Mundial de Fórmula 1 deste ano. E em ambas a estratégia da Scuderia quanto às paragens nas boxes foi fundamental para Sebastian Vettel ser o primeiro a cortar a receber a bandeira de xadrez na Austrália e no Bahrain.

Valtteri Bottas passou colado a Vettel na meta em Sakhir, mas não deu para mais. A Mercedes reconheceu que demorou de mais a perceber a tática da equipa adversária.

A equipa alemã tinha inicialmente uma estratégia de duas paragens nas boxes para Bottas (que partiu com pneus supermacios) e de uma para Lewis Hamilton (que partiu com macios). Ambos acabaram por fazer uma paragem cada tricando para os médios.

Os dois Ferrari partiram com supermacios e quando foram à box trocaram para macios. Este terá sido o primeiro passo para a Mercedes ficar iludida... O segundo terá sido a segunda ida às boxes de Kimi Raikkonen.

O finlandês, na sequência da troca de pneus acidentada que deixou uma roda mal e um mecânico no hospital, não andou muitos mais metros. Mas Vettel, pelo contrário, não foi à box e tratou de ter pneus para se aguentar na liderança até final.

“Provavelmente fomos um bocado lentos a reconhecer a ameaça, que o Sebastian ia mesmo levar os pneus macios até ao fim. Se tivéssemos sido um pouco mais rápidos a reagir teríamos feito mais pressão sobre ele, nas voltas 35 a 45, e talvez tivéssemos conseguido um resultado melhor”, admitiu o diretor técnico da Mercedes, James Allison.

Num vídeo em que o responsável a equipa alemã responde às perguntas dos adeptos, allison confessou o erro de cálculo: “Esperávamos que ele parasse outra vez, mas ele esteve muito, muito bem a tomar conta daqueles pneus até à bandeira de xadrez.”

“O Valtteri conseguiu aproximar-se de Vettel. A três voltas estávamos colados, mas não fomos suficientemente bons para passá-lo”, analisou Allison dizendo que “se a corrida tivesse tido mais uma ou duas voltas o resultado seria provavelmente diferente”. “Mas deixámos o ataque para um pouco tarde de mais e não conseguimos ganhar”, assumiu.

VEJA TAMBÉM:

  • TEMAS:
  • Mercedes

  • Ferrari

  • James Allison

Veja mais