F1 proíbe aviões militares nas corridas a pensar no ambiente… e não só...

  • Redação Autoportal
  • 20 jan, 11:29
Monolugar da F1 para 2022 (imagem Fórmula 1)
Monolugar da F1 para 2022 (imagem Fórmula 1)

Exibições devem ater-se à aviação civil mediante certas regras

Os organizadores das corridas do Mundial de Fórmula 1 vão deixar de poder incluir a passagem de aviões militares no programa dos grandes prémios já a partir deste ano de 2022.

Lembrando que em circuitos históricos como Monza ou Silverstone os grandes prémios costumam ter exibições das esquadras das respetivas forças aéreas italiana e britânica, o «RacingNews365.com» refere que a Fórmula 1 enviou um e-mail aos organizadores das corridas que essas passagens dos aviões militares não serão permitidas.

PUB

Uma das razões referidas prende-se com a redução de emissões de carbono face ao intuito de a F1 atingir a neutralidade carbónica com uma citação a justificar que a proibição tem o propósito de “apoiar os objetivos de sustentabilidade da F1”.

Mas há mais razões segundo o «RacingNews365.com», pois, para lá das razões ambientais, há preocupações de que essas exibições militares possam ser vistas como uma plataforma para demonstração de poderio bélico por parte de alguns países.

A F1 terá, porém, deixado a porta aberta às passagens de aviões civis, ou comerciais, ou de exibição desportiva, nos programas dos grandes prémios desde que cumpram certas regras como a utilização de combustível sustentável nessas exibições.

PUB
Continuar a ler

RELACIONADOS

F1: Alain Prost deixa a Alpine “desiludido” e critica o CEO da equipa

F1: Mercedes segue Ferrari e McLaren e marca apresentação do carro para 2022

F1 já tem data para as conclusões da polémica corrida que deu o título em 2021

COMPUTADOR DE BORDO

Tem a certeza de que faz o transporte de crianças como deve ser?

Detetores de radar de velocidade à venda na internet. Legais ou ilegais?

Governo alega “questões técnicas”: veículos elétricos sem direito a descontos nas SCUT

VEJA MAIS

MAIS LIDAS