Furos no GP da Grã-Bretanha levam Pirelli a abrir investigação

  • Redação Autoportal
  • 2 ago 2020, 19:49
Manuel Luís Goucha e Vasco Palmeirim

Bottas, Sainz e Hamilton sofreram furos na parte final da corrida

A Pirelli abriu um processo de investigação para tentar perceber as causa dos furos que aconteceram no GP da Grã-Bretanha de Fórmula 1 deste domingo.

Nas últimas três voltas, Valtteri Bottas (Mercedes), Carlos Sainz Jr. (McLaren) e Lewis Hamilton (Mercedes) sofreram furos nas respetivas ridas esquerdas dianteiras dos seu carros.

Com estes incidentes a acontecerem depois de Kimi Raikkonen ter perdido parte da asa dianteira e a ficarem detritos na pista, a fornecedora oficial de pneus da F1 quer esclarecer se os furos aconteceram por causas externas como esta ou por motivos diretamente relacionados com os pneumáticos.

“Pode ser elevado desgaste porque seguramente pneus com 38 ou mais voltas neste circuito estão muito desgastados. Mas eu não estou a dizer que o desgaste é a causa. Podem ser detritos porque havia partes da asa dianteira do Kimi que estavam na pista, além de outros detritos.

É por isto que queremos investigar não apenas os pneus com as falhas, mas todos os pneus usados nas últimas voltas da corrida, para perceber se encontramos qualquer corte ou outra indicação possível do que aconteceu Temos a possibilidade de fazer alguma análise nos nossos laboratórios no circuito.”

Estas declarações de Mario Isola à F1 destacam que não há muito tempo para fazer a investigação antes da próxima corrida, que é já no próximo fim de semana, e que, por isso é preciso ter conclusões “assim que possível” assumindo que “o objetivo é saber algo mais no máximo até quinta-feira”.

RELACIONADOS

GP da Grã-Bretanha: Hamilton resiste a furo na última volta e ganha 'em três rodas'

Hamilton: “O meu coração quase parou”

Verstappen: “Não me arrependo, tomámos a decisão certa”

Leclerc: “Estou satisfeito, mas tivemos sorte”

COMPUTADOR DE BORDO

Fique a saber como são as novas cartas de condução

Descontos nas portagens das ex-Scut de Algarve e Interior vão até aos 55%

Largue o telemóvel: conheça as alterações ao Código da Estrada