Rali da Austrália: Ogier sai na frente para a decisão do título

  • Redação Autoportal
Sébastien Ogier (Lusa)
Sébastien Ogier (Lusa)

Sébastien Ogier (Ford Fiesta) foi o piloto mais rápido no Shakedown que nesta quinta-feira deu o pontapé de saída para o Rali da Austrália, a última prova da época 2018 do WRC e onde o título Mundial de Ralis será decidido.

O francês da M-Sport foi seguido por Andreas Mikkelsen (Hyundai i20) e Ott Tänak (Toyota Yaris) a 0.2s, com Thierry Neuville (Hyundai i20) a gastar mais 0.3s do que Ogier.

Shakedown do Rali da Austrália:

1. Sébastien Ogier (Ford Fiesta), 2m53.8s

2. Andreas Mikkelsen (Hyundai i20), + 0.2s

3. Ott Tänak (Toyota Yaris), + 0.2s

4. Thierry Neuville (Hyundai i20), + 0.3s

5. Craig Breen (Citroën C3), + 0.8s

(...)

O Rali da Austrália é a 13.ª e derradeira etapa do campeonato e será na última prova que o título de Pilotos será decidido – o que não acontecia há sete anos. Ogier lidera a classificação e defende o comando com três pontos de vantagem sobre Neuville, segundo classificado. Tänak segue no terceiro lugar, a 20 pontos do francês.

Em jogo na Austrália estão 30 pontos no máximo: 25 pela vitória mais os cinco da Power Stage’, a derradeira especial que distribui pontos pelos cinco mais rápidos.

Ogier conquista o sexto título se vencer ou ficar em segundo lugar e terminar a Power Stage entre os dois mais rápidos. E pode ainda sagrar-se hexacampeão se ficar à frente de Neuville, desde que ambos não terminem abaixo do quinto lugar se Tänak vencer a prova e a Power Stage.

Por sua vez, Neuville tem de bater Ogier. O ideal é vencer o rali e a Power Stage e esperar que mais alguém roube pontos na última especial ao pentacampeão em título. Se o francês for segundo nas duas, ficam empatados em pontos, vitórias e segundos lugares – o título penderia para Ogier, por ter mais quartos lugares (pois nenhum deles ficou em terceiro).

Se Neuville for segundo ou terceiro e Ogier terceiro ou quarto, respetivamente, o título vai para o mais bem classificado na Power Stage.

Mais pressionado surge Tänak, que tem de conquistar os 30 pontos em disputa e esperar que os rivais fiquem abaixo do quinto lugar ou vencer a prova desde que Ogier e Neuville terminem abaixo do sétimo posto.

Também o título de Construtores ainda está em disputa, com a Hyundai na frente, com 43 pontos de vantagem sobre a M-Sport/Ford, que já assumiu abdicar desta luta em detrimento do Mundial de Pilotos.

O Rali da Austrália surge em 2018 reconfigurado, com 16 das 24 especiais a serem novas ou em sentido contrário ao de anos anteriores.

As pistas em gravilha apresentam-se como um desafio para os primeiros a partir, a não ser que chova. E, segundo os meteorologistas, como escreve a Lusa, existe essa possibilidade.

Os carros voltam a sair para a estrada nesta sexta-feira.

Comentários

Veja mais