ACAP está preocupada com a importação de veículos usados

  • Redação Autoportal
Trânsito na A3
Trânsito na A3. (Lusa/José Coelho)

O aumento da importação de veículos usados e a subida da idade média do parque automóvel em Portugal são algumas das preocupações da Associação Automóvel de Portugal (ACAP).

De acordo com a ACAP, em 2018, o número de matrículas de automóveis importados usados equivalia a 33,8% das vendas de novos, tendo sido matriculados 77.241 veículos usados.

A associação destaca que entre 2010 e 2018, a matrícula de usados aumentou 223%, sendo que de 2017 para 2018 o número de matrículas de importados usados cresceu 17%, ou sejam acima da taxa de crescimento dos automóveis matriculados novos pelas marcas (3%).

Trata-se, na opinião do secretário geral da ACAP, Hélder Pedro, de um “contraciclo”, já que por um lado pretende-se renovar o parque automóvel e reduzir as emissões e depois abre-se a porta a quase cerca de 80 mil veículos usados provenientes de outros Estados-membros.

Em relação ao parque automóvel, Portugal conta, atualmente, com um total de 6,280 milhões de automóveis (dos quais 5,015 milhões são ligeiros de passageiros), sendo o valor mais elevado desde 2001.

“A idade do parque tem vindo a aumentar, em 2012 passou os 10 anos e hoje está nos 12,6 anos”, acrescentou o secretário geral da ACAP.

“É necessário abater 330 mil automóveis em fim de vida para diminuir a idade média do parque em um ano”, sublinhou Hélder Pedro, que falava aos jornalistas na apresentação do balanço do setor automóvel em 2018.

Segundo as contas da associação, esta medida permitiria uma poupança de 164 milhões de litros de combustível e de 230 milhões de euros por ano.

A questão do ‘Brexit’ (saída do Reino Unido da União Europeia) continua a preocupar o setor automóvel, uma vez que o Reino Unido representa mais de 10% das exportações de Portugal, mas, por outro lado, a ACAP acredita que poderá haver “alguma deslocalização da produção” atualmente do Reino Unido para Portugal.

VEJA TAMBÉM:

Veja mais