Citroën AMI chega ao mercado nacional no 2.º trimestre

  • Redação Autoportal
  • 19 fev, 15:29

Citadino é a nova aposta da marca francesa para a mobilidade urbana

A Citroën anunciou que o lançamento me Portugal do novo AMI vai acontecer no segundo trimestre de 2021.

A marca francesa pretende revolucionar a mobilidade urbana com o acesso sem carta ao novo AMI, um citadino 100% elétrico de (muito) baixo custo, de dois lugares elétrico, com 2,41 m de comprimento, 1,39 m de largura e 1,52 m de altura.

O seu peso fica nos 485 kg já incluindo a bateria de 5,5 kWh que lhe dá uma autonomia de 70 km, que pode ser carregada em três horas numa tomada doméstica de 220 V.

Com um motor de 6 kW, o AMI atinge a velocidade de 45 km/h ficando enquadrado dentro dos quadriciclos elétricos que dispensam a carta de condução.

Desde a sua apresentação, o Citroën AMI tem chamado à atenção pela sua visão inovadora e sustentável da mobilidade, pelas suas prestações 100% elétricas e ideais para as cidades, pela sua abertura a todo o tipo de utilizadores, bem como pela sua estética diferente, em que a simetria é a grande protagonista.

Este citadino costumizável em sete variações de personalização, com teto panorâmico, jantes de 14’’ e composto por materiais aproveitados por outros veículos do grupo, como os plásticos reutilizados e responde à procura de uma mobilidade ágil e sem restrições para os centros das grandes cidades, oferecendo uma solução disruptiva e totalmente adaptada.

As suas amplas superfícies vidradas e o seu teto panorâmico permitem desfrutar do ambiente num habitáculo confortável, fechado e perfeitamente climatizado.

RELACIONADOS

Elétrico sem carta por 7 mil euros: Citroën lança o AMI

Citroën revela o Ami One Concept no Salão de Xangai

Ami One Concept é a nova aposta da Citroën em mobilidade urbana

Novo Citroën C3 Aircross ganha novo design e chega ao mercado em junho

COMPUTADOR DE BORDO

Saiba como deve circular em rotundas de forma correta

Fique a saber como são as novas cartas de condução

Descontos nas portagens das ex-Scut de Algarve e Interior vão até aos 55%

VEJA MAIS

MAIS LIDAS