Guiámos o DS 3 Crossback 1.5 BlueHDI: luxo em ponto pequeno

  • Virgílio Machado
DS 3 Crossback é uma versão compacta de um modelo premium de um segmento mais luxuoso

Combinar a elegância com o conforto parece ser a grande arma da DS para conquistar o mercado.

Exemplo disso é o DS 3 Crossback, que num primeiro olhar é fácil perceber que estamos perante um veículo que quer partir à aventura, mas dotado de importantes detalhes de requinte no seu interior.

O SUV compacto da DS não passa despercebido já que apresenta linhas elegantes e arrojadas, em que se destaca no exterior a barbatana lateral, luzes de circulação diurna verticais em forma de pérola em LED e os faróis cônicos do sistema DS Matrix LED Vision.

Para além disso os puxadores das portas, mostram bem a atenção aos detalhes que a marca francesa coloca nos seus modelos, já que se destacam automaticamente da carroçaria, assim que nos aproximamos do veículo com a chave no bolso.

Já a traseira apresenta um design volumoso tirando assim partido de uma carroçaria que assenta na plataforma CMP do Grupo PSA, a mesma que é partilhada pelo Peugeot 2008 ou pelo Opel Corsa.

O desenho original da traseira é marcado por um para choques diferente e farolins traseiros ligados por uma barra cromada.

Nota ainda para as jantes de 18 polegadas, que equipavam o modelo ensaiado, que permitem que o DS 3 Crossback transmita um ar de aventureiro, pronto para alguns desafios fora de estada.

No interior tudo foi pensado ao detalhe e este SUV compacto da DS assume-se como um modelo verdadeiramente high-tech, ao dispor de materiais de alta qualidade com montagem cuidada, onde se destaca um painel de instrumentos digital, associado a um ecrã táctil central de dimensões generosas, colocado sobre o tabliê, dedicado ao sistema de infoentretenimento e no conta se encontram os comandos do ar condicionado numa das suas páginas.

Os revestimentos deste DS 3 também replicam as formas geométricas a que a DS já nos habituou nos bancos, nos painéis das portas e no tabliê.

Destaque igualmente para a boa insonorização deste modelo que beneficia de uma especificação mais espessa dos painéis das portas, uma zona de extração de ar cuidadosamente projetada, janelas de vidro mais grossas e um para-brisas acústico.

Os bancos do condutor e passageiros são envolventes dotados de espuma de alta densidade para uma maior qualidade.

O espaço interior é generoso para o condutor e passageiro da frente e apresenta-se um pouco acanhado para transportar três passageiros nos bancos traseiros, mas verdade seja dita que dois passageiros viajam de forma confortável, dispondo ainda de uma bagageira com uma capacidade de 350 litros e muitos espaços de arrumação no interior.

Para este ensaio a nossa escolha recaiu sobre a versão diesel com um bloco 1.5 BlueHDI do Grupo PSA com 130 cv de potência e com caixa automática de oito velocidades, ou seja, perfeito para não estarmos apenas restritos aos ambientes citadinos do dia a dia, de forma a poder realizar quilómetros extras fora das grandes cidades sempre que isso seja necessário em trabalho ou lazer.

Sentados ao volante deste Crossover é fácil perceber que a posição de condução é mais baixa do que num Crossover compacto tradicional, mas nada que nos impeça de estar confortáveis e de usufruir de uma boa visão.

O painel de instrumentos com boa visibilidade disponibiliza todas as informações necessárias e o volante multifunções proporciona um bom tacto, o que nos ajuda a desfrutar da condução, beneficiando ainda de uma direção elétrica que se mostra leve a baixas velocidades.

A caixa de velocidades é suave e rápida a responde ao pisar do acelerador e os três modos de condução, Normal, Eco e Desportivo, que permitem pequenas alterações na resposta do acelerador e da assistência da direção.

O comportamento em estrada deste modelo é revelador das capacidades do bloco de 130 cv de potência, denotando um bom desempenho e a capacidade de rodar sem esforço, revelando um comportamento em curva, mesmo quando apertamos com o acelerador, apesar do seu centro de gravidade mais alto.

Seguro, confortável e eficaz na resposta entre relações quando se lhe pede para rolar com rapidez, com a DS a anunciar 9,9 segundos dos 0 aos 100 km/h e uma velocidade máxima de 185 km/h, este modelo garante uma condução divertida e atraente cumprindo todos os quilómetros que realizamos com uma dinâmica quase perfeita em estrada.

No ensaio realizados, aproveitamos a maior altura ao solo deste Crossback para o testar em pisos de terra com alguns buracos, onde a sua resposta ficou marcada por alguns solavancos inesperados, mas nada que tenha impedido o DS 3 Crossback de fazer face aos pisos mais degradados com uma condução atenta e cuidada.

No ensaio realizado conseguimos alcançar um consumo de 5,6 litros aos 100 Km, o que acaba por ser interessante tendo em conta a dinâmica que imposta em estrada e por a DS anunciar um consumo combinado de 5 litros.

Em matéria de preços o DS 3 Crossback 1.5 BlueHDI com 130 cv arranca nos 34.150 euros com o nível de equipamento Be Chic, enquanto a versão ensaiada, So Chic, tem um preço que começa nos 35.800 euros.

Desta forma este DS 3 Crossback 1.5 BlueHDI com 130 cv constitui uma opção a ter em conta quando procuramos um veículo com motorização a diesel e que possa oferecer boas prestações aliadas a um conforto e design de referência

  • TEMAS:
  • DS3

  • Crossback

  • 1.5 Blue HDI

Veja mais