Porsche e Siemens Energy avançam para a produção de combustíveis sintéticos

  • Redação Autoportal
  • 8 dez 2020, 11:53
Manuel Luís Goucha e Vasco Palmeirim

Novo projeto vai produzir 130.000 litros de e-fuels já em 2022

A Porsche e a Siemens Energy estão a desenvolver e a implementar um projeto piloto no Chile com o objetivo de criar a primeira fábrica de escala internacional para a produção de combustíveis sintéticos (e-fuels).

Numa fase inicial, o objetivo desta nova parceria é produzir cerca de 130.000 litros de e-fuels já em 2022.

Nas duas fases seguintes, a capacidade será incrementada para cerca de 55 milhões de litros de e-fuels em 2024 e cerca de 550 milhões de litros de combustíveis sintéticos em 2026.

A Porsche revelou que será o principal cliente principal deste combustível verde

A construção da fábrica e produção de combustíveis sintéticos no Chile é o resultado de uma parceria entre a Porsche e a Siemens Energy, para além da empresa de energia AME, a petrolífera chilena ENAP e a empresa italiana de energia Enel, e o apoio do governo alemão, através do Ministério da Economia e Energia, que contribuiu com oito milhões de euros para este novo projeto de produção de combustíveis sintéticos.

A escolha do Chile para a implementação deste novo projeto fica-se a dever às excelentes condições do Sul daquele país para a produção de energia eólica e o reduzido custo da eletricidade para a produção, exportação e utilização local de hidrogénio verde.

Para gerar hidrogénio, a eletrólise utiliza energia eólica para dissociar a água em dois componentes, oxigénio e hidrogénio. Num segundo passo, o plano é filtrar o CO2 e depois combiná-lo com o hidrogénio verde para criar metanol sintético.

O resultado é metanol renovável, o qual pode ser convertido em combustível amigo do ambiente ao utilizar a tecnologia MTG (Methanol To Gasoline) para ser licenciado e apoiado pela ExxonMobil.

“A mobilidade elétrica é uma prioridade para a Porsche. Os e-fuels para automóveis são um complemento valioso para isso se forem produzidos em locais do mundo onde exista um excedente de energia sustentável. São um elemento adicional para a descarbonização. As suas vantagens assentam na sua facilidade de aplicação: os e-fuels podem ser utilizados em motores de combustão e híbridos plug-in, e podem utilizar a rede existente de postos de abastecimento. Ao utilizá-los, podemos incrementar a nossa contribuição em direção à proteção climática”, sublinhou Oliver Blume, CEO da Porsche, em comunicado.

A Siemens Energy vai ter a responsabilidade de integrar os sistemas em toda a cadeia de valor. Desde a criação das turbinas de vento Siemens Gamesa, à eletrólise PEM (Proton Exchange Membrane), que se enquadra com o recurso à energia eólica volátil.

“Estabelecer uma economia energeticamente sustentável vai obrigar-nos a repensar. A energia renovável não vai ser produzida apenas onde é necessária, mas sim onde os recursos naturais como o vento e o sol estiverem disponíveis numa escala massiva. Por isso, vão crescer novas cadeias de fornecimento por todo o mundo para transportar a energia renovável de uma região para outra. Isto é especialmente importante para a Alemanha, a qual tem de importar energia para conseguir suprimir todos os pedidos a nível nacional”, afirmou Christian Bruch, CEO da Siemens Energy.

Como cliente principal do combustível, a Porsche planeia utilizar na primeira fase os e-fuels vindos do Chile em alguns projetos pioneiros. Estes incluem utilizar os e-fuels nos Porsche destinados ao desporto automóvel, nos Porsche Experience Centers e também em veículos de produção.

O construtor alemão de automóveis desportivos deixou claro que vai investir cerca de 20 milhões de euros neste projeto de combustíveis sintéticos.

RELACIONADOS

Porsche mostra carros que nunca tínhamos visto

Porsche aumenta a autonomia do Cayenne híbrido plug-in

Porsche reformula Panamera e revela preços dos dois novos modelos

COMPUTADOR DE BORDO

Fique a saber como são as novas cartas de condução

Descontos nas portagens das ex-Scut de Algarve e Interior vão até aos 55%

Largue o telemóvel: conheça as alterações ao Código da Estrada

VEJA MAIS

MAIS LIDAS