Guerra comercial China/EUA obriga a adaptar formas de fabrico de baterias

  • Redação Autoportal
  • 25 jul 2021, 08:54
Reuters
Exemplo de bateria de carro elétrico (imagem captura ARS)
Exemplo de bateria de carro elétrico (imagem captura ARS)

A dependência de materiais raros está a obrigar vários construtores a procurarem soluções alternativas aos materiais raros

A crescente onda de eletrificação está, literalmente, a mudar o planeta. Não só porque os automóveis elétricos acabam por contribuir para um decréscimo gigantesco nas emissões poluentes, mas, em contrapartida, porque o seu aumento de produção e de diversos dos seus componentes, como as baterias, fez disparar a procura de novos materiais, alguns bastante raros devido à dificuldade de os disponibilizar em grande escala.

Claro que como cabeças de cartaz deste tema estão países como a China e os Estados Unidos, que continuam com dificuldades em entenderem-se e não apenas por causa da língua.

PUB

De acordo com notícia da Reuters, os fabricantes de automóveis do Ocidente estão mesmo a tentar reduzir a sua dependência de materiais como os imanes, que ainda são bastante necessários para o fabrico de elementos encontrados nos motores elétricos, por exemplo.

Este tipo de metais é bastante abundante, especialmente na China, mas a sua elevada procura está a fazer com que o seu valor aumente exorbitantemente e com que esta abundância se possa transformar em escassez. Afinal, além da sua extração, há ainda o problema da poluição gerada pela sua produção que está longe de ser um processo simples.

PUB

Para os fabricantes de automóveis ocidentais, o problema da oscilação de preços é um dos maiores problemas, mas não menos preocupante do que todo o processo de fornecimento, com os danos ambientais que podem daí advir.

Os imanes produzidos a partir de metais como o neodímio ainda continuam a ser a forma mais eficiente de fazer locomover os automóveis elétricos, sendo que a China detém 90 por cento da sua oferta a nível global e tenha duplicado o seu valor em apenas nove meses. E esta é uma das razões que obriga os construtores a encontrar alternativas, ainda que já o façam há anos.

PUB

Um deles é a Nissan, que afirma estar a eliminar a dependência destes materiais em modelos como o novo Ariya, mas também a BMW, que refere já ter feito o mesmo com o seu SUV elétrico iX3. E há ainda dois grandes construtores como a Toyota e a Volkswagen que já afirmaram estar a cortar neste tipo de minerais.

Este tipo de materiais é essencial para as indústrias relacionadas com a eletrónica, a defesa e com as energias renováveis, sendo que os motores elétricos de íman permanente ainda são considerados os mais eficientes, por precisarem de menos energia no seu funcionamento, o que acaba por se traduzir numa maior autonomia dos automóveis elétricos.

PUB

E isso fez com que a sua escolha fosse a mais óbvia. Pelo menos, até ao momento em que a China entrou em disputa com o Japão relacionada com o seu fornecimento, o que, mais uma fez, acabou por fazer com que os preços ficassem demasiado inflacionados.

Continuar a ler

RELACIONADOS

GM investe na produção de lítio para baterias em solo americano

Reciclagem de baterias: a solução pode estar nas bactérias vivas

Portugal no caminho do desenvolvimento de baterias para carros elétricos na UE

PSA e Total unem-se para produzir baterias para veículos elétricos

COMPUTADOR DE BORDO

Veja como deve circular nas rotundas de forma correta (ciclistas também)

Tem a certeza de que faz o transporte de crianças como deve ser?

Detetores de radar de velocidade à venda na internet. Legais ou ilegais?

VEJA MAIS

MAIS LIDAS