Rodámos off-road a todo-o-conforto com o renovado Mercedes GLC

  • Pedro Calhau
Fomos conhecer as capacidades do novo SUV no barrocal algarvio

A Mercedes renovou o SUV GLC na sua imagem e nas suas características com o propósito de vincar a alma todo-o-terreno que este veículo de porte familiar muito visto em cidade traz consigo.

O renovado GLC SUV ganhou um visual mais largo e desportivo, com faróis redesenhados, reforçou o conforto interior e evoluiu o músculo com motores mais eficientes e económicos com a nova geração de blocos de 4 cilindros mais potentes.

Ficámos a conhecer esta renovação ao volante do Mercedes GLC SUV 300d 4Matic. E fomos conhecê-la fazendo jus à sua alma ‘off-road’. Não na cidade, mas em pleno barrocal algarvio, onde os barrancos – e os barrocos por onde também já passou o Rali de Portugal – são cenário ideal para este veículo exibir todo o potencial cuja imagem imponente promete.

Dando a volta ao círculo antes de voltar a abri-lo, não nos esquecemos do cariz também familiar do GLC que já referimos para confirmar que a alma todo-o-terreno deste SUV tem uma realidade (também) terrena que se manifesta a todo-o-conforto num interior luxuoso quer na comodidade quer na versatilidade.

Mas ao conforto interior já lá iremos depois, pois vários dos ‘mimos’ que a Mercedes nos proporcionou neste GLC também isso reforçaram. Outros, porém, dizem já respeito ao busílis da conquista terra adentro, como há mais de oito séculos Portugal fez do Castelo de Paderne uma sua fortaleza.

O resultado histórico perdura até ao presente, pois outra coisa não conhecemos hoje. O resultado do ensaio a mesma justiça não deixou de fazer-lhe. O Mercedes GLC mostra uma aptidão inata para estas conquistas fora da cidade em percursos off-road, cujo prazer da condução permite ser prolongado aos quatro passageiros no conforto com que podem desfrutar do passeio – a capacidade de carga vai dos 550 aos 1.600 litros.

O Mercedes GLV SUV 300d 4 Matic é uma máquina que galga terreno acidentado à velocidade da sua respiração. O motor de 2,0 litros de 4 cilindros tem uma potência de 245 cv e um binário máximo de 500 Nm combinando com o sistema de tração integral (permanente) 4Matic (numa distribuição de binário 45-55) e com a caixa automática de 9 velocidades 9G-Tronic (com patilhas no volante).

Mimados com o Air Body Control em que a suspensão a ar coordena eletronicamente os amortecedores individualmente de acordo com o terreno, a personalização dos modos de condução (Dynamic Select) ganhou especial interesse, obviamente, nas seleções ‘Off-road’ e ‘Off-road+’ (este, para assistir nas subidas e descidas mais acentuadas).

Ainda brindados com o pacote ‘off-road pro’ tapando toda a superfície inferior do SUV, rodar pelo meio da terra vermelha algarvia proporciona um prazer de condução e uma sensação de poder e segurança só conseguidos nestes terrenos com estas condições acidentadas (e com um carro destes, claro) – por diferença com a utilização ‘básica’ da suspensão quando associada aos modos mais desportivos – como são os ‘Sport’ e ‘Sport+’, de um seletor ainda com o ‘Eco’ e o ‘Comfort’ – em que a velocidade já implica uma relação de transmissão mais direta também notada na direção.

Todos estes mimos, porém, vão elevando em alguns milhares de euros o preço base de um SUV com preço de tabela final (já com ISV) de 66.850 euros. A versão testada dispunha, inclusive, das jantes de liga leve em estrela de cinco raios duplos da AMG de 19’ (as de série são de 17’’)’, de bancos em pele e, a dar corpo à renovação exterior, da nova bonita pintura em Cinzento Mate. E tudo isto também custa.

De série é a última geração do sistema MBUX (Mercedes-Benz User Experience), muito intuitivo e versátil nas suas funções de informação ou de entretenimento e oferecendo o seu controlo quer por toque, gestos ou voz – mas, neste último caso, prepare-se para ter uma resposta diplomática para cada vez que se gabar da marca do seu carro e de imediato ouvir uma assistente a perguntar-lhe o que pode fazer...

Com possibilidade de controlar o MBUX no ecrã do tabliê, no volante e com visualização também no painel de instrumentos (por exemplo, da excelente navegação) e na nova almofada tátil (em vez da anterior roda) na consola central (além de atalhos nas teclas ‘tipo piano’), o condutor tem imensa facilidade e conforto no acesso a um sistema ‘inteligente’ ao ponto de não perder a informação da função anterior àquela em que está para se poder avançar e retroceder nos menus sem perdas.

A este sistema cheio de informações sobre o veículo, o desempenho do motor, os consumos e com um Manual do Condutor, a Mercedes proporcionou-nos neste GLC 300d 4Matic, com câmara e assistente ativo de travagem, mais um pacote de extras de varieada utilidade, que aumentam tanto a segurança como o luxo e o conforto.

O pacote ‘Premium Plus’ (e o preço do SUV vai aumentando…) oferece desde assistentes de segurança como o reconhecimento de sinais de trânsito ao sistema de luzes inteligente Multibeam Led, que permite ver a sinalização estática, à noite, como se os sinais tivessem uma lâmpada interna a iluminá-los.

Com este ‘upgrade’ de equipamento, incluindo o cockpit panorâmico, a comodidade de condução do GLC SUV aumenta para níveis de bancos aquecidos (à frente), carregamento de telemóvel por indução, definição das cores e da iluminação ambiente, o sistema de som Burmester e o aumento do ecrã central para as 10,5’’.

  • TEMAS:
  • Mercedes

  • GLC SUV

  • Ensaio Mercedes GLC

Veja mais