Radford está de regresso com um Lotus Type 62 e Jenson Button

  • Redação Autoportal
  • 6 set, 11:55

O conhecido preparador e construtor de carroçarias está de regresso e a sua primeira criação acaba de ser revelada oficialmente

A empresa de Harold Radford ficou conhecida no mundo automóvel pela personalização de modelos e carroçarias nos anos 50 e 60, usando automóveis enigmáticos já existentes da Bentley, Rolls-Royce e Mini e respondendo a gostos muito peculiares de clientes como os Beatles e diversas outras celebridades. E agora, a Radford está de volta, com uma equipa muito especial.

“Este é o momento perfeito para fazer regressar uma marca como a Radford”, diz-nos um dos seus fundadores. Aliás, é justamente nos seus fundadores que começa parte da magia desta história, pois não deixa de ser interessante juntar um conhecido designer, um construtor de carroçarias e um campeão de Fórmula 1, quase sem querer, como se fosse o destino a querer falar mais alto.

PUB

Todos os modelos produzidos pela Radford vão seguir o mote: “Design. Build. Drive.” Para a primeira posição temos Mark Stubbs, designer de renome que já trabalhou para marcas como a Bentley, a Aston Martin, a Bugatti, a Nissan, a Ford e a General Motors, entre outras. Para a componente da construção e da mecânica vamos contar com Ant Anstead, um ‘master mechanic’ e apresentador de televisão, que já fez parte de programas como o Wheeler Dealers, por exemplo. E depois, no que diz respeito à condução, nada melhor do que ter um campeão mundial de Fórmula 1 como Jenson Button, que ajudará a desenvolver todos os modelos da marca nesta componente tão importante e especial. Para finalizar a lista de responsáveis pela nova Radford, resta apenas acrescentar Roger Behle, que ficará encarregado pelo lado mais empresarial deste “renascimento”.

PUB
PUB

O currículo da nova Radford começa com um modelo carregado de história, inspirado num Lotus de competição do qual foram produzidas apenas duas unidades: o Type 62 de motor central e o seu incrível desenho da carroçaria. O novo modelo utiliza a mecânica da Lotus Engineering e conta com duas versões: uma de visual mais clássico com a carroçaria pintada num obrigatório British Racing Green e outra, de visual mais desportivo, com a decoração inspirada na da Gold Leaf Team Lotus do Type 62 original.

Tanto o chassis como a carroçaria usam uma mistura de alumínio e fibra de carbono com o objetivo de reduzir o peso de todo o conjunto e estão equipados com um motor V6 de 3,5 litros, também de posição central, tal como no modelo em que foi inspirado. A altura fica apenas em 1,13 metros e as formas da carroçaria incluem cavas para as rodas de tamanho muito generoso, mas também elegantes e muito funcionais entradas de ar laterais para arrefecer o motor. Na traseira, os dois spoilers duplos são também uma alusão ao modelo original, sendo que este, no entanto, nem sonhava com os valores de potência do novo modelo, que podem chegar aos 500 cavalos na opção mais desportiva.

PUB

Segundo os responsáveis da Radford, não existirá um Type 62-2 igual a mais nenhum outro, uma vez que todas as 62 unidades previstas em termos de produção, terão acabamentos personalizados e feitos à medida de cada cliente. E para que não surjam dúvidas sobre este tema, podemos já adiantar que a Radford acaba de adquirir os direitos de utilização de decorações como a da enigmática John Player Special, que tanto associamos aos melhores dias da Lotus. Quem não se lembra do Lotus 97T com que Ayrton Senna conquistou a sua primeira vitória na Fórmula 1, aqui mesmo, em 1985, no nosso Circuito do Estoril?

PUB

Todos os futuros modelos da Radford serão afinados e desenvolvidos na sua própria pista, por Jenson Button, na Radford Racing School, no Arizona, nos Estados Unidos, ainda que a sua essência continue a ser puramente britânica, tal como nos é referido nos comunicados da Radford.

Continuar a ler

COMPUTADOR DE BORDO

Tem a certeza de que faz o transporte de crianças como deve ser?

Detetores de radar de velocidade à venda na internet. Legais ou ilegais?

Governo alega “questões técnicas”: veículos elétricos sem direito a descontos nas SCUT

VEJA MAIS

MAIS LIDAS