Portugal no caminho do desenvolvimento de baterias para carros elétricos na UE

  • Redação Autoportal
  • 20 mai, 13:35
LUSA
Maros Sefcovic - vice-presidente comissão europeia
Maros Sefcovic - vice-presidente comissão europeia

O vice-presidente da CE, Maroš Šefčovič, frisou que Portugal será "peça-chave" no desenvolvimento tecnológico e produção de baterias

Portugal será “uma peça-chave” no desenvolvimento tecnológico e produção de baterias, referiu o vice-presidente da CE e comissário das Relações Interinstitucionais e Prospetiva, Maroš Šefcovic.

Estas declarações foram proferidas à imprensa no final de uma reunião com os ministros de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, e da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, no âmbito da Aliança Europeia para as Baterias, que decorreu no dia 18 de maio em Lisboa.

PUB
Maroš Šefčovič, VP Comissão Europeia (FotoTiago Petinga/LUSA - Direitos Reservados)

Tenho a certeza absoluta de que Portugal vai ser uma peça-chave desta nova indústria que está a ganhar forma na Europa”, disse Maroš Šefčovič aos jornalistas

O também comissário europeu das Relações Interinstitucionais e Prospetiva acrescentou que “graças à presidência portuguesa” do Conselho da UE está a ser possível “avançar” no “trabalho de regulação sobre as baterias, que vai levar às baterias mais verdes, seguras e eficazes do mundo”, que acredita que “se vão tornar no padrão para os produtores mundiais”.

PUB

O vice-presidente da CE explicitou que o último ano “foi difícil para todos” por causa da pandemia, no entanto, 2020 foi o “ano da mobilidade elétrica”, uma vez que foram vendidos “mais veículos elétricos na Europa do que na China”.

O investimento no setor das baterias “foi de mais de 60 mil milhões de euros, três vezes maior do que o nível de investimento neste setor na China”, acrescentou. Um dos objetivos agora é conseguir produzir baterias suficientes para abastecer “entre seis ao oito milhões de carros até 2025.

PUB

A reunião decorreu no âmbito da Aliança Europeia para as Baterias, um setor onde “o esforço” de Portugal “é único e especial”, já que o país tem “um 'mix' energético dos mais limpos e renováveis”.

Em consonância com o Maroš Šefčovič, o ministro da Economia português referiu que “a Portugal não interessa ficar apenas com as componentes de menor valor acrescentado”, razão pela qual é necessário “mapear” a capacidade que o país tem em “toda a cadeia de valor”, desde a refinação das matérias-primas, produção de células para as baterias, a produção de baterias e, eventualmente, a reciclagem “de baterias que cheguem ao final de vida”.

PUB

O que falta, neste momento, é a “capacidade de investir”, porque a tecnologia “precisa ainda de muito investimento” no que diz respeito à investigação, para depois haver uma articulação com a cadeia de valor.

Uma “componente crítica”, prosseguiu Siza Viera, é “o acesso ao financiamento, para o qual também as instituições europeias têm a possibilidade” de apoiar o país.

A indústria automóvel na Europa funciona em rede, entre grandes fabricantes e múltiplos produtores de componentes, e, obviamente, aquilo que queremos assegurar é que os nossos esforços se integram nessa rede, como atualmente a indústria automóvel portuguesa já nela se integra”, explicou.

 

 

Continuar a ler

RELACIONADOS

Veja como o Grupo Renault já tem uma segunda vida à espera das baterias

PSA e Total unem-se para produzir baterias para veículos elétricos

Tesla prepara baterias mais baratas para durarem 1,6 milhões de km

Tesla muito nervosa com atraso na aprovação da nova Gigafactory em Berlim

COMPUTADOR DE BORDO

Tem a certeza de que faz o transporte de crianças como deve ser?

Detetores de radar de velocidade à venda na internet. Legais ou ilegais?

Governo alega “questões técnicas”: veículos elétricos sem direito a descontos nas SCUT

VEJA MAIS

MAIS LIDAS