Quebra de produção na Infineon Technologies agrava crise dos chips

  • Redação Autoportal
  • 20 ago, 11:00
Infineon
Infineon

Fábricas estão a produzir abaixo da procura, o que leva os seus responsáveis a dizer que o equilíbrio apenas será atingido em 2022

A indústria automóvel continua a debater-se com a crise no fornecimento de chips – a pior crise de abastecimento em três décadas. Um dos fornecedores deste tipo de componentes, a Infineon Technologies, confirmou isso mesmo, dando conta de que quebras de produção em duas das suas fábricas estão a afetar os seus clientes do ramo automóvel.

Ler aqui: escassez de chips compromete produção

Depois de uma tempestade de Inverno ter paralisado a produção na fábrica de Austin, EUA, também uma das suas fábricas localizadas na Malásia sofreu uma quebra de produção, em Junho, provocada por um surto de infeções por coronavírus. Tais acontecimentos contribuem para que a Infineon Technologies esteja agora em sérias dificuldades para acompanhar a elevada procura por chips, tanto para a indústria automóvel, como para outras, como a dos aparelhos eletrónicos.

PUB
Veja também: Intel diz que crise vai durar anos 
PUB

No caso do fornecimento a construtores de automóveis, área de negócio que representa dois quintos do volume de vendas da Infineon Technologies, a retoma será lenta. Reinhard Ploss, CEO da empresa sediada em Munique, Alemanha, já veio dizer que a recuperação estava a ser travada por "graves limitações de fornecimento ao longo de toda a cadeia de valor" e que os inventários são extremamente curtos, o que implica o adiamentos nas entregas. “Tudo somado, levará tempo a regressar a um equilíbrio entre a oferta e a procura. Na nossa opinião, isto levará até 2022”, concluiu.

PUB
Bosch em Braga e AutoEuropa em Palmela já foram afetadas
PUB

Baixo inventário significa que a produção está a ser enviada diretamente aos clientes, assim que está concluída, pelo que qualquer contratempo como os registados em Austin e na Malásia causam graves problemas de fornecimento, com a consequente quebra de receitas. Com a fábrica da Malásia a regressar à sua capacidade máxima apenas no final do mês de agosto, a Infineon Technologies estima perdas superiores a 10 milhões de euros.

A empresa alemã aposta agora na nova fábrica que vai inaugurar em Villach, Áustria, para aumentar a produção de chips especializados de gestão de energia. Desta forma estima manter a previsão de receitas no seu ano fiscal, até 30 de Setembro, de 11 mil milhões de euros.

Continuar a ler

RELACIONADOS

Crise dos semicondutores: Volvo interrompe produção na Suécia por falta de chips

Elon Musk culpa fabricantes de chips por atrasos na produção dos Tesla

A Bosch anunciou a abertura de uma unidade de produção de chips e sensores na Alemanha

Intel alerta que a falta de chips que afeta a produção automóvel pode durar vários anos

COMPUTADOR DE BORDO

Tem a certeza de que faz o transporte de crianças como deve ser?

Detetores de radar de velocidade à venda na internet. Legais ou ilegais?

Governo alega “questões técnicas”: veículos elétricos sem direito a descontos nas SCUT

VEJA MAIS

MAIS LIDAS