Mini Strip: Estilista Paul Smith reinventou ícone com materiais reciclados

  • 3 set, 15:00

A Mini e Paul Smith conceberam um projeto especial a partir de materiais reciclados, de acordo com os princípios da sustentabilidade

A Mini associou-se ao estilista britânico Paul Smith para a criação de um modelo único, seguindo a temática "simplicidade, transparência e sustentabilidade". O Mini Strip, assim se chama o modelo, apresenta ideias inspiradoras para um método mais sustentável de design automóvel.

Como o nome sugere, o processo começou por despojar por completo o Mini elétrico e reduzi-lo à sua essência estrutural. Só então foram definidos e implementados os elementos que o desenhador considerava absolutamente necessários.

PUB

Na conceção do Mini Strip o objetivo optou-se por um design minimalista, não convencional, beneficiando da visão de alguém de fora da indústria automóvel como Paul Smith. Desde logo, a carroçaria foi deixada no seu estado inacabado.

As marcas próprias do processo de fabrico dos painéis em aço galvanizado foram assumidas e, em vez da aplicação de tinta colorida, optou-se por uma fina película de tinta transparente para o proteger contra a corrosão.

Para muitos dos componentes que integram o Mini Strip, reciclagem foi a palavra de ordem. Partes da faixa preta do Mini Strip foram impressas em 3D a partir de plástico reciclado, o mesmo acontecendo com a grelha frontal e a zona abaixo do para-choques traseiro.

PUB

Ainda no exterior, podemos observar o trabalho de Paul Smith na criação do desenho de uma ficha elétrica, aplicado na tampa que esconde o ponto de carregamento das baterias do Mini elétrico, a qual produz uma iluminação em verde néon quando aberta. Mas é no interior que mais se reflete a intervenção do reputado criador britânico.

PUB

O interior do Mini Strip pintado de azul produz um efeito único, como é suposto acontecer num automóvel que é, também ele, uma criação única. Aliado aos materiais expostos, que não estamos habituados a ver num automóvel comum, criou-se, assim, um efeito estético muito especial. Neste Mini não existe o clássico painel de instrumentos central.

É substituído pelo smartphone do próprio condutor, o qual se liga automaticamente e se torna o centro de controlo do sistema multimedia. Os únicos controlos físicos – interruptores dos vidros elétricos e função start/stop – estão localizados numa zona inferior da coluna central.

Seguindo o princípio da sustentabilidade, não foi usado couro no interior. O revestimento dos bancos é em tecido e é totalmente reciclável. Para o tablier e para o revestimento da parte superior das portas, a Mini e Paul Smith escolheram cortiça reciclada.

PUB

No volante, o aro foi envolto em autêntica fita de guiador de bicicleta de estrada e a parte central, com cobertura em malha, torna possível ver o airbag. A mesma malha foi ainda usada na cobertura das portas, permitindo que a estrutura interior esteja claramente visível. Já os puxadores das portas são feitos de corda de alpinismo enrolada.

E para que não restem quaisquer dúvidas de que o Mini Strip “tem o dedo” do estilista Paul Smith, há várias aplicações da sua assinatura, quer no exterior, quer no interior.

 

Continuar a ler

RELACIONADOS

Vídeo: Baidu revela um carro autónomo futurista com avançada inteligência artificial

Energia solar: Aptera Sol com motor de 150 kW e 1.600 km de autonomia

BMW apresenta protótipos de duas e três rodas para a mobilidade urbana

COMPUTADOR DE BORDO

Tem a certeza de que faz o transporte de crianças como deve ser?

Detetores de radar de velocidade à venda na internet. Legais ou ilegais?

Governo alega “questões técnicas”: veículos elétricos sem direito a descontos nas SCUT