Lamborghini investe em biometano para acelerar descarbonização

A fábrica da Automobili Lamborghini em Sant'Agata Bolognese será alimentada por biometano já a partir do ano 2023

A Lamborghini continua a investir no processo de descarbonização de todas as suas atividades, incluindo, obviamente, a sua fábrica de Sant’Agata Bolognese, em Itália. É aqui que acaba de ser implementada uma instalação de biometano, com a capacidade anual de quase quatro milhões de metros cúbicos, o que representa cerca de 65 por cento das necessidades de gás atuais da empresa.

Este projeto vai fazer com que a redução das emissões de CO2 passe dos atuais 37 por cento para os 80 por cento, o que se traduz num total anual de 11 mil toneladas de CO2.

PUB
Lamborghini Urus (foto: divulgação)

Esta nova instalação de biometano é um dos projetos que se junta a diversos outros, como o parque com mais de 10 mil carvalhos, diversos projetos de biomonitorização com abelhas e um dos maiores sistemas fotovoltaicos da zona de Emilia-Romagna, mostrando a imagem de sustentabilidade que a Lamborghini sempre quis alcançar.

Stephan Winkelmann, Presidente e CEO da Automobili Lamborghini (foto: divulgação)

Stephan Winkelmann, atual Presidente e CEO da Automobili Lamborghini, relembra que “a marca foi pioneira na indústria automóvel na área da sustentabilidade, numa altura em que a questão ainda não estava a ser abordada ou estava a ser abordada apenas parcialmente por grandes empresas. O nosso compromisso começou em 2009 através de uma série de programas e investimentos que em 2015 nos levaram a obter a certificação ‘COz-neutral’ para toda a instalação. E hoje, o nosso caminho continua a acelerar com o objetivo de passar de um local de produção neutro em termos de CO2 para uma empresa neutra em termos de CO2 através de uma abordagem holística que envolve o produto, a fábrica, a logística e toda a cadeia de fornecimento."

PUB
PUB
Processo de pintura (foto: divulgação)

O programa que leva a marca para um futuro totalmente sustentável até ao ano 2030 é conhecido como “Direzione Cor Tauri”, nome herdado de uma estrela da constelação Taurus que tanto sentido faz a uma marca que tem um touro como o seu logótipo e representa um investimento em torno dos 1,5 mil milhões de euros, o maior de sempre na sua história. Deste plano, faz parte uma gama de produtos totalmente híbrida já no ano 2024 e um novo modelo totalmente elétrico, que será apresentado antes de 2030.

Continuar a ler

RELACIONADOS

Governo italiano tenta exceção para Ferrari e Lamborghini manterem motores de combustão

Lamborghini lança projeto de bem estar Feelosophy

Bentley empenhada com a sustentabilidade na sua fábrica de Crewe

Porsche planeia fábrica de baterias para desportivos elétricos

COMPUTADOR DE BORDO

Tem a certeza de que faz o transporte de crianças como deve ser?

Detetores de radar de velocidade à venda na internet. Legais ou ilegais?

Governo alega “questões técnicas”: veículos elétricos sem direito a descontos nas SCUT